29.8.08

Formas de tratamento. Publicidade

Você é (foi?) estrebaria

A propósito de marqueteiros, há agora aí um anúncio mais insistente do que todos que diz: «Se calhar tu ainda te achas nova, mas já está na altura de começares a poupar para a reforma. Não tarda nada, já estou a tratá-la por você. E nessa altura, o melhor é você já ter algum de parte. É a melhor maneira de prevenir que, quando a senhora começar a ser tratada por senhora, terá um nível de vida a que estava habituada quando era tratada por você ou por tu, minha senhora. No BES, há soluções de reforma que mudam contigo, aliás, consigo, perdão, com a senhora. Não é por acaso que somos líderes. Soluções de reforma BES. Quem sabe, sabe. E tu, você ou a senhora é que sabem.»
Deixem-me adivinhar: tratam por tu a jovenzinha que chega ao balcão (excepto se trouxer uma pistola na mão, suponho), por você uma pessoa com indícios exteriores de ser emigrante de Leste (vejam lá não se enganem) ou porteira num prédio e, por fim, por senhora… uma senhora. Uma pessoa idosa ou que indicia pertencer a certa classe social, digamos. É isso? Podem dominar as formas de tratamento no português contemporâneo (se calhar até leram Sobre “Formas de Tratamento” na Língua Portuguesa, de Lindley Cintra, à mesa de um McDonald’s), mas são uns hipócritas. E a quarta frase foi mal lida.
Se há questões complexas na língua portuguesa, a das formas de tratamento é uma delas. Há verdadeiras teses sobre o tema. Você é igualitário ou denota um pretendido distanciamento social? Senhor(a) é sempre tratamento cerimonioso, formal, sem distinções de classe, ou não? Vou voltar brevemente a este tema.

6 comentários:

Anónimo disse...

O anúncio é bizarro: ah ah, podes ser jovem e jeitosa mas, mais ano, menos ano, fica(s) um caco velho. Não sei se vai vender muitos planos de poupança.

Formas de tratamento: quando vejo traduzida uma expressão como "Mr Smith" por "Senhor Smith", parece-me sempre uma solução insatisfatória. É a solução possível? "Mr" usa-se com o último nome mas "Senhor" usa-se normalmente com o primeiro nome, como forma de respeito por alguém que conhecemos razoavelmente bem: "O senhor António ajudou-me com as compras". Ou com a função dessa pessoa: "o senhor professor", "o senhor presidente". "Senhor Smith" soa-me a português inglesado.

pedro

Anónimo disse...

Caro Helder,

Só para ajudar à reflexão:

aspirinab.com/visitas-antigas/fernando-venancio/voce/

Um abraço amigo.

Unknown disse...

Eu tinha lido quando foi publicado, mas é agora útil para os meus leitores.
Obrigado, Fernando.

Anónimo disse...

Tenho sempre receio, por isso o evito, o tratamento por "você". Dizia a avó: "você é estrebaria, uma rata assada e um pão por dia".
Nunca (me) questionei os fundamentos. Mas gosto de tratar as pessoas pelo seu último nome ou, mesmo informalmente, pelo nome próprio.
Recupero o Sie germânico, onde cabem Doutores e outras coisas.

Freire de Andrade disse...

Caro Anónimo,

Não creio que em geral "Senhor" se use normalmente com o primeiro nome, nem actualmente nem nas décadas passadas, desde que me conheço a ouvir tratar pessoas pelo nome. É e tem sido muito vulgar tratar homens por "Senhor" seguido de apelido, "Senhor Silva", "Senhor Pereira", etc. Já dizia o livro da 4.ª classe por onde estudei: "O Senhor Pereira tinha uma pereira com três peras..."

Anónimo disse...

Ó senhor Freire de Andrade!

E o senhor António da padaria? E o senhor Jacinto do talho? E o senhor Mário, que pode calhar ser nosso sogro? E o padre André? E o doutor Álvaro?

Abra os ouvidos à sua volta, sim?