14.10.08

«Detalhar»?

Minúcias íntimas

«Hoje é apresentada uma proposta para um referendo sobre a eutanásia. É um assunto que vamos detalhar ao meio-dia» (José Guerreiro, Antena 1, 14.09.2008, síntese informativa às 11 da manhã). Se embirro, e embirro mesmo, com o vocábulo «detalhe», de «detalhar» nem digo nada. Nos meios de comunicação social, está agora em voga. Recentemente, uma professora de Português dizia-me que sim, senhor, «esse anglicismo é horrível». Pois… Ignorava, coitada, que a língua inglesa integra em si largos milhares de palavras francesas. Ainda no episódio de ontem da série Inimigo à Porta uma personagem usou a expressão francesa agent provocateur.

4 comentários:

d.e. disse...

"Mas Carlos não pôde detalhar-lhe as feições; apenas de entre o esplendor ebúrneo da carnação, sentiu o negro profundo de dois olhos que se fixaram nos seus."

EÇA DE QUEIROZ, "Os Maias", Lisboa, Livros do Brasil, s/d, p. 203.
(Cap. VII)

Miguel disse...

Caro Hélder,

o seu blogue continua a ser paragem obrigatória, mas hoje vi um título no "Record" que, não chegando ao ponto de me chocar, me deixou pelo menos possuído de módica indignação. ("O Hélder só podia estar de folga", pensei, inclusive.)

Foi na entrevista do Moutinho, no texto intitulado: "Posição de Deco é a que mais gosto".

Decerto, para aprendizagem e elevação do próprio leitor de jornalismo desportivo, a adopção da variante transitiva indirecta seria a mais adequada aqui.

O próprio acto enunciativo de "Posição de Deco é a que mais gosto" faz com que a boca e língua do falante sintam que falta ali uma oclusiva alveolar sonora. Que lhe parece, Hélder?

Com atenção,

Miguel

Helder Guégués disse...

Caro D. E.
Ah, esse grande importador por grosso de galicismos via paquete do Havre! Quase aprendi a ler pela obra de Eça, mas no que diz respeito a pureza, só se for a da imaginação, nunca a da língua.
Cordialmente,
Helder Guégués

Helder Guégués disse...

Caro Miguel
Pensou bem, se me permite a imodéstia. De facto, mais do que de folga, já lá não estou. Fui apenas substituir o coordenador da revisão e um revisor nas férias.
Concordo, de resto, inteiramente com a observação que faz.
Um abraço,
Helder Guégués