16.12.08

Selecção vocabular; possessivos


A potes

Pergunto a mim próprio quantas crianças, de norte a sul do País, conhecem o bacio ou penico por pote. Avalio por mim, que, por uns breves instantes, fiquei perplexo perante o título Ruca Aprende a Usar o Pote, mais um título da infindável colecção referente a esta personagem da série televisiva. Tão perplexo como a personagem quando vê o objecto: «O Ruca pegou no pote e colocou-o na cabeça, para imitar um chapéu.»
A ficha técnica ajuda-nos a perceber tudo: o título original é Caillou — Le pot. A tradução e adaptação é de Sara Costa, a quem mando este recado: segundo certos estudos (Rice e Wexler, 1996, e Restrepo e Kruth, 2000, v. g.), a omissão do pronome possessivo é uma marca clínica de crianças com distúrbio específico da linguagem — mas de crianças falantes do inglês e do francês! Os tradutores portugueses devem desbastar, se querem escrever português de lei, os pronomes possessivos, marca sobretudo do inglês. Os revisores devem acompanhá-los ou substituí-los nesta nobre tarefa.

4 comentários:

Anónimo disse...

O termo "pote" para designar "bacio" também me era completamente estranho até vir morar para o Porto, onde é muito utilizado. Mas, aos dois anos, a minha filha, na escola, aprendeu a usar o "pote", por mais que cá em casa usasse o "bacio". Talvez seja uma influência da região e não um problema de tradução... aliás, nos desenhos animados do Ruca, o sotaque da criança é do norte e, se reparar, muitas expressões também...
Alexandra

Helder Guégués disse...

Pois não: é um problema de selecção vocabular.

Anónimo disse...

Sobretudo no norte, mais estranho é que se use "pote" para designar bacio porque lá os potes são de ferro e estão na cozinha (se é que alguém ainda os usa).
Do que se tratará será de uma "lavagem" burguesa do objecto, para lhe retirar alguma coisa que se lhe apegou de pejorativo - em particular quando é "penico" - usando "lixívia" francesa.

MFCR

Pedro disse...

Não me parece prejudicial que uma criança esteja em contacto com outras variedades regionais do português.