3.5.09

Conceito de «tarde»

É quando o homem quiser

Diz-se do Natal. Mas há quem julgue que pode dizer o mesmo da tarde. Assiste-se muitas vezes a esta situação: no estúdio, da rádio ou da televisão, um jornalista diz «bom dia», e o repórter responde energicamente «boa tarde». E isto passa-se, digamos, no noticiário das 13 horas. Até já ouvi, em conversa pessoal, um jornalista ignorante explicar como se afere se é de manhã ou de tarde. Dizia esta bestiaga que, se a pessoa já tivesse almoçado, era de tarde… Isto é que é um conceito, ninguém errava. A tarde, deviam todos saber, é o período de tempo que vai do meio-dia ao crepúsculo vespertino.

5 comentários:

Anónimo disse...

Sendo «bestiaga», nesta acepção, um substantivo de dois géneros, e dado que se trata de um homem («o jornalista»), não seria preferível escrever «este bestiaga»?

Helder Guégués disse...

Os bons e os maus dicionários registam o vocábulo como sendo do género feminino. Imagino que sejam os dicionários assim-assim a registá-lo como sendo de dois géneros.

Anónimo disse...

O Dicionário Priberam é um deles. E aparece no género masculino, por exemplo, em http://www.biblio.com.br/defaultz.asp?link=http://www.biblio.com.br/conteudo/AmadeuAmaral/memorialpassageiro.htm

Joao disse...

O senhor é de um formalismo absurdo. E por sobre formalista é pedante e malcriado, como se pode ver pelo termo «bestiaga» que usa para classificar jornalistas. Aplica-se-lhe totalmente este vídeo. Passe bem.

Helder Guégués disse...

Não direi que se aplique totalmente, mas, como Zé Diogo Quintela, também uso óculos. E acabam aí as semelhanças. Aqui, pareço muito mais a bestiaga da rapariga (sem o solecismo): «Hás-de cá vir!»