23.12.09

Advérbio interrogativo

Porquê?     


      «Foi o gosto de mostrar as suas peças que a fez criar um blogue em 2001. Nessa altura, não tinha a intenção de começar a fazer este tipo de trabalho profissionalmente. “Mostrava as coisas naturalmente na Internet. As pessoas que viam o meu blogue é que começaram a dizer: ‘Ah, tão giro! Porque é que não vendes?’”» («Bonecos que começaram por ser desenhos de um blogue», Sara Picareta, Público, 23.12.2009, p. 20). «O que fica para reflexão é saber como interpretar o bailado mais ou menos caótico protagonizado pelos grandes actores mundiais, que está na base deste relativo fracasso político. Prevaleceu o G20 ou o G2? Por que é que a União Europeia pesou tão pouco?» («Depois de Copenhaga», editorial, Público, 23.12.2009, p. 30). Só acertam quando julgam errar.

[Post 2929]

2 comentários:

Cóias disse...

Caro Hélder. Porquê escrever duma maneira e porque não escrever de outra? Abraço. Festas Felizes. Marcos Silva

Anónimo disse...

Livro Pudor e Dignidade, revisão de Helder Guégués e outro. Não se lhe atribua, no entanto, por não ser de sua responsabilidade mas sim da editora, o erro no texto da badana da capa: "por que raio havia".