27.2.11

«Confucianismo/confucionismo»

Quase não há escolha

      «O confucianismo não é tanto uma religião no sentido ocidental da palavra como sobretudo uma moral, baseada no equilíbrio cósmico e procurando a integração social» («As religiões místicas», Anselmo Borges, Diário de Notícias, 26.02.2011, p. 70).
      Talvez não haja dicionário que não registe as duas variantes: confucianismo e confucionismo (não confundir com confusionismo, mal endémico diagnosticado por mim e por Montexto), e ambas são usadas, talvez com a mesma frequência. No verbete desta última, o Dicionário Houaiss regista que é forma não preferível da primeira.

[Post 4496]

15 comentários:

Luís Fernando disse...

Agora até fiquei intrigado: por que "confucianismo" é a forma preferível?

Anónimo disse...

Responda o Houaiss ou quem ficou a representá-lo.
— Montexto

Helder Guégués disse...

Eu também não sei, caro Luís Fernando. Eu até diria o contrário, pois que em confucionismo é mais evidente o nome Confúcio.

R.A. disse...

Fui ver o Houaiss que diz que vem de "confuciano" [relativo a Confúcio (551 a.C.- 479 a.C.), ou à sua doutrina, ou a seus seguidores].

Lembrei-me de Lutero, luterano, luteranismo. E de Cristo, cristão, cristianismo.

Francisco Agarez disse...

Meu caro Helder: Seguindo o seu raciocínio, como iríamos de Cristo para o cristianismo?

Anónimo disse...

Confúcio, confuciano, confucianismo; Américo Vespúcio, vespuciano? vespucianismo?
A 8.ª ed. do Dic. da Porto Ed. só regista «confuciano» e «confucianismo», de «confuciano» + «-ismo», explica.
A tradução de António Gonçalves dos Analectos, de Confúcio, «a partir da» (ah!)versão francesa de Pierre Rickmans e da versão inglesa de Simon Leys, que são uma e a mesma pessoa, publicada na Biblioteca Editores Independentes, 2010, só usa «confuciano», «cultura confuciana», «educação confuciana» e «confucianismo».
Lembremos porém aqui quanto custa o asseio final de um texto, segundo «O Mestre disse: “Quando era preciso escrever um edital, Pi Chen redigia o primeiro esboço, Shi Shu revia o texto, o chefe do protocolo, Ziyu, limava as arestas e Zichan de Dongli dava o polimento final”», cap. XIV, 8. Isto para não nos admirarmos por aí além com os lapsos do costume...
«O Mestre disse:...» — é a fórmula empregada sempre na tradução. Segue a ordem directa da colocação, tão cara ao francês. Em português melhor se diria: «Disse o Mestre: ...» Repare-se por exemplo no título do romance de Tabucchi na tradução francesa: «Pereira prétend», mas em português: «Afirma Pereira», e até em castelhano: «Sostiene Pereira», sempre na ordem inversa.
— Montexto

Paulo Araujo disse...

acacianismo; zwinglianismo; agrarianismo; camilianismo (atenção, Montexto); egipcianismo; eutiquianismo; fabianismo; hugoanismo; lombrosianismo; nestorianismo; palacianismo; sabelianismo; todos com nome terminado em -o ou -io. Ver Houaiss.

Anónimo disse...

Atenção: lá por uma pessoa se esforçar por escrever com sujeito, verbo e caso, não significa que integre o grémio dos camilianos... Conste pois, para evitar equívocos, que o mundo camiliano me é profundamente avesso, ainda que porventura possa não parecer. Claro que quem atente mais um pouco na língua portuguesa acaba sempre por topar em Camilo...
— Montexto

Paulo Araujo disse...

Desculpe-me, Montexto; pensava exatamente o oposto. Meu conhecimento de literatura portuguesa se resume à poesia, notadamente Gil, Camões e, num salto mais que secular, Guerra Junqueiro e Pessoa. Escolha feita por gosto eufônico.

Anónimo disse...

Então permita-me sugerir-lhe outro Camilo — o Pessanha, — Cesário, pena bastante clássica e madura, apesar de Verde, e Sá-Carneiro, mas o Mário, em quem a modernidade se justifica por uma vez. Não perderá muito tempo porque os respectivos livros são delgadinhos, mas verá que aqui, como em outras muitas coisas, a qualidade é inversamente proporcional à quantidade.
— Mont.

Paulo Araujo disse...

Palavra do Mauro Villar, editor do Houaiss: a futura segunda edição do Grande Houaiss reconhecerá as duas formas, sem indicar preferencial, verbis:
"confucianismo s.m. (1899 cf. CF1) FIL HIST POL m.q. CONFUCIONISMO ¤ ETIM confuciano + -ismo, prov. por infl. do fr. confucianisme (1876)



confucionismo s.m. (sXIX cf. JM3) FIL HIST POL 1 designação atribuída no Ocidente às doutrinas e ao sistema de pensamento elaborado pelo filósofo e teórico político chinês K'ung ch'iu (tb. dito Khong-Fon-Tseu, K'ung-fu-tzu, K'ung-tzu ou, no Ocidente, Confúcio [551 a.C.- 479 a.C.]) e por seus continuadores [Foi doutrina política, religião e código de ética oficial do império chinês de 136 a.C. até 1912.] 1.1 p.ext. conjunto de crenças, conhecimentos e valores, ética social e filosofia, características da China e cerne de suas doutrinas, como o culto à natureza e aos antepassados, o amor, a justiça, a reverência, a sinceridade e o amor filial (que são considerados as principais virtudes) ¤ ETIM antr. Confúcio + -n- + -ismo ¤ SIN/VAR confucianismo ¤ PAR confusionismo(s.m.)"

Helder Guégués disse...

Caro Paulo Araujo,
Então, parece que vale a pena irmos falando destas incongruências.

Paulo Araujo disse...

Sem dúvida, Helder; os dicionários erram, ou se enganam ou mudam de opinião. O importante é que tentem sempre melhorar.

C. Kupo disse...

Aproveite lá e pergunte se vão incluir "burca" na nova versão.

Paulo Araujo disse...

Já consta da edição 2010 e, sendo assim, vai estar no Grande Houaiss: "burca s.f. (déc.1990) vestimenta feminina das mulheres afegãs, similar ao xador, que cobre todo o corpo, inclusive os cabelos, e apresenta uma estreita tela, à altura dos olhos, através da qual se pode ver ¤ etim ár. burga > urdu burga,"