17.1.08

«Evocar» e «invocar»

Todos os santinhos

      Como já é a segunda vez numa semana, decido-me: os verbos evocar e invocar não são inteiramente sinónimos. Ontem, no frente-a-frente do Jornal das 9 da Sic Notícias, Helena Roseta disse «evocar argumentos». Há poucos dias, foi um tradutor, que pretendeu que uma personagem «dificilmente podia evocar desconhecimento da decisão» («could hardly protest to be innocent of the decision», no original). Vamos lá ver: posso, se me apetecer, evocar alguém que invocou algo. Invocar tem como étimo o latim invocare e significa implorar a protecção ou o auxílio, fazer súplicas, chamar em seu socorro, pedir, rogar, suplicar. Como também significa alegar em seu favor, recorrer a. Assim, invocamos a protecção de Santa Bárbara, especialmente se estiver a trovejar, e depois esquecemo-la ingratamente, e invocamos desconhecimento da lei — e não ganhamos nada com isso, pois que a lei, sábia, já prevê que «a ignorância ou má interpretação da lei não justifica a falta do seu cumprimento nem isenta as pessoas das sanções nela estabelecidas». Evocar também vem do latim e significa chamar de algum lugar, fazer aparecer, chamando por meio de esconjuros, invocações ou exorcismos; trazer à lembrança. Assim, podemos evocar o Diabo, e, embora no respeito da gramática, arrepender-nos-emos. E podemos evocar a nossa bucólica infância à beira do Sado (e se julgam que estou a falar de mim, enganam-se).
      O Livro de Estilo do Público alerta sucintamente: «Evocar/invocar — São quase sinónimos, mas em certas expressões fixou-se um deles: evocar o passado (recordar, reproduzir na mente); cerimónia evocativa; evocar os espíritos (chamar para que apareçam); invocar a Virgem (chamar em auxílio); invocar o perdão (suplicar); invocar um testemunho (recorrer a ele).»

17 comentários:

Nilaum disse...

Belo texto!!!

Exatamente o que eu estava procurando!!!

Tom disse...

Serviu-me como uma luva !!!

Anónimo disse...

Obrigado, excelente texto.

Arthur disse...

Obrigado, me ajudou bastante numa tradução que estou fazendo ;)

Anónimo disse...

Excelente! Era isso que eu procurava. Anteontem, o Min. do STF Joaquim Barbosa se confundiu muito com isso. Disse várias vezes que o recorrente havia evocado tais e tais argumentos. Achei estranho. Pelo que vi, o correto teria sido invocado. Fabrício Andrade

Bruno disse...

Fantástico!

Era exatamente o que eu estava procurando!!

Ana Caroline Barreto disse...

PARABÉNS PELO BLOG! Apontamentos e reflexões de altíssima qualidade. Uma grande contrinuição à língua portuguesa!!!

Reinaldo disse...

Perfeito!!! nada à acréscentar ou retirar.

Eduardo disse...

exatamente minha duvida! valeu mesmo... agora soh mais uma coisa
"-Excelente! Era isso que eu procurava. Anteontem, o Min. do STF Joaquim Barbosa se confundiu muito com isso. Disse várias vezes que o recorrente havia evocado tais e tais argumentos. Achei estranho. Pelo que vi, o correto teria sido invocado. Fabrício Andrade"



Não seria equivocado sobre tais e tais argumentos?

:) soh pra saber :)

Anfilófio disse...

Ótimo o conteúdo de informação e comparação.

Anónimo disse...

Muito boa reflexão. Penso que todos agradecemos pela sobeja sabedoria dactilografada em pouco, mas entendida em muito. Como diria um célebre escritor "são os pormenores que marcam diferença...". Parabéns e espero que não prodigalizes tão bom gosto em tão bom conhecimento.

NG

Anónimo disse...

Obrigado, era essa a diferenciação que eu estava procurando!

Anónimo disse...

Finalmente esclareci a minha dúvida, óptimo trabalho! Obrigado!

Manoel disse...

obrigado por esclarecer minha dúvida !

ana paula disse...

amei o blog. Análise linguistica aplicada ao cotidiano é o luxo dos luxos! Bjs ana paula

Anónimo disse...

Parabéns pelo Blog!

Tony Bennington disse...

Me ajudou muito