26.10.08

Álvaro Carmo Vaz

Injustamente esquecido

      Ontem citei aqui Carmo Vaz e decerto que para quase toda a gente não é uma autoridade, mas isso deve ser porque a memória é curta e o nome não aparece na Internet: aparece um homónimo Álvaro Carmo Vaz, engenheiro especialista em barragens e professor na Universidade Eduardo Mondlane, que vim a descobrir que é sobrinho. Socorrendo-me do que sei (cheguei a corresponder-me com o Prof. Carmo Vaz quando ele tinha uma coluna, ah, agora já se lembram!, linguística no Tal & Qual) e da badana da obra ontem citada, direi: Álvaro Fernando Aleixo Peres de Carmo Vaz era natural de Goa (1915-1994), licenciou-se em Filologia Clássica pela Universidade de Lisboa, tendo-se graduado mais tarde pela Universidade de Cambridge. Foi escritor (Regresso ao Velho Mundo, entre outras obras) e tradutor de autores como James Joyce, Dylan Thomas, Aldous Huxley, Frank O’Connor, etc. Foi colunista na imprensa nacional e estrangeira, professor do ensino secundário e superior. Fundou a revista Vértice em Coimbra nos anos 40, dirigiu a revista Actualidades em Lourenço Marques nos anos 50, foi director e professor do Instituto Britânico, filial de Beja, nos anos 60, director da Biblioteca Nacional de Angola e galardoado com o prémio de ensaio no centenário d’Os Lusíadas nos anos 70.
      Nos próximos tempos, citarei aqui abundantemente a obra do Prof. Carmo Vaz.

5 comentários:

João disse...

Carmo Vaz é um nome bem conhecido aqui em Beja.

Helder Guégués disse...

Já imaginava que sim.

altitude disse...

O Álvaro engº é filho do irmão Mário Carmo Vaz, o "principe dos poetas de Goa".

Anónimo disse...

Como neto fico muito contente de ver este blog aqui.

Tiago Carmo Vaz

Anizabel disse...

Fui aluna do professor CARMO VAZ aqui em Beja, a ele devo parte do gosto pela leitura e os muitos conhecimentos que nos transmitiu. BEJA,28 de Junho de 2011 Anizabel