19.2.09

O verbo «haver»

Apontamento

      Isabel Stilwell, na emissão de ontem dos Dias do Avesso, deu mais um pontapé na gramática: «Mas a verdade é que, eu estive a ler, continuam a não haver contactos entre a Esmeralda e os pais afectivos.» Isabel Stilwell, e refiro-o porque hoje uma caterva de blogues pode já usar o termo, usou a palavra «contra-rapto». É só isto: escreve-se contra-rapto, e não contra rapto. E mais: segundo as regras do Acordo Ortográfico de 1990, passar-se-á a escrever contrarrapto. Habituem-se. Como a agora conhecida contra-reacção passará a ser contrarreação. Aguentem. Eduardo Sá não disse nenhum disparate.

6 comentários:

Anónimo disse...

Não será contrarreacção?

Helder Guégués disse...

Claro que não. Se «reacção» passa a «reação», como é que «contra-reacção» passava a «contrarreacção»?

ANa disse...

Pergunto: não será contrarreação? Se for como apresenta o "RR" passa a "R"... ou estou enganada?

Helder Guégués disse...

Lapso meu, que já corrigi. Se se junta, tem, naturalmente, de se dobrar a consoante.

Freire de Andrade disse...

Desculpe, mas à sua ordem "Habituem-se" (ou ser+a conselho?), respondo: Eu nego-me a habituar-me. Algumas das regras do Acordo Ortográfico até não me repugnam, mas a abolição, pelo menos nos casos como o apontado, do hífen parece-me um disparate e recuso-me a usá-lo. Com a minha idade já não me devem marcar erros de ortografia...
Aliás questiono fortemente a própria necessidade deste acordo e principalmente algumas das suas regras. Tive recentemente a visita de uma prima brasileira e confirmei, se ainda fosse necessário, que as diferenças de vocabulário, de construção das frases e de respeito pela gramática são muito mais graves do que as de ortografia.

Helder Guégués disse...

Caro Freire de Andrade
Nem ordem nem conselho, será mais provocação. Na verdade, para a generalidade das pessoas não haverá quaisquer consequências por continuarem a usar as regras do Acordo Ortográfico de 1945. Eu é que não posso, pelo menos na minha actividade, fazer o mesmo.