19.6.10

Ascendência/descendência

Esta já é velha


      Susana Salvador entrevistou os Black Eyed Peas para a revista Notícias Magazine (6.06.2010, pp. 40-45). Uma das perguntas, era inevitável, era se «vão torcer por Portugal ou pelos EUA o Mundial». Respondeu Taboo, que na verdade se chama Jamie Gomez e é, ao que todas as fontes asseveram, méxico-americano: «Pelo México, por causa da minha descendência mexicana. O meu padrasto é do México e vai ao Mundial, por isso disse-me que eu tinha de torcer pela equipa.» Jornalistas e tradutores estão todos os dias a cair neste erro infeliz, e só por falta de reflexão. Aqui até era possível, mas, mesmo quando se trata de uma criança, falam da sua «descendência». Quanto a Taboo, coitado, também confunde um pouco as coisas. Mesmo que tenha amor (quase) filial ao padrasto, que é mexicano (nasceu em Morelia, capital do Michoacão), nunca poderá afirmar, sem mentir, que tem ascendência mexicana.

[Post 3598]

1 comentário:

jjleiria disse...

O problema é que, em inglês, a expressão será de facto «Mexican descent», porque é essa a construção consagrada (?) — qualquer coisa como, em português, dizermos que somos provenientes da «descensão mexicana», ou que somos descendentes de mexicanos. Quando se troca para a descendência é que a coisa corre mal.