7.2.11

Sobre «destabilizar»

Não faz falta


      «A frustração de estar rodeado de crianças que não tinham os mesmos interesses, a ouvir matérias que já conhecia, aborrecia-o e levava-o a destabilizar a aula, por estar aborrecido de ali estar» («Há mais de 60 mil crianças e jovens sobredotados em Portugal», Raquel Tereso, Diário de Notícias, 6.02.2011, p. 18).
      Em rigor, não precisamos de destabilizar nem de desestabilizar, e quem use conscienciosamente a língua decerto que o sabe.

[Post 4406]

16 comentários:

C. Kupo disse...

"[...]aborrecia-o e levava-o a destabilizar a aula, por estar aborrecido de ali estar."
Só eu achei extremamente repetitivo esse passo?

Anónimo disse...

Não, caro Kupo; está acompanhado.
Resta-nos esperar que o aluno seja realmente sobredotado, ou em todo caso mais dotado do que a jornalista, - o que só por si receio que não baste a inculcar grandes dotes...
- Montexto

Jonh disse...

Apesar de "desestabilizar" ser mais correcto, penso que se pode utilizar "destabilizar".

Confirmem por favor!!

Anónimo disse...

Grande John!
- Mont.

Anónimo disse...

O Aulete Digital juntou-se ao Priberam em linha nos critérios de escolha das palavras do vernáculo hodierno para ilustração e defesa (como diria Du Bellay) da língua portuguesa: a de hoje é «chrome-key».
Tem dedo esta gente!
- Mont.

Paulo Araujo disse...

Confesso minha ignorância em certas particularidades genuínas da língua, que me fazem, por vezes, não entender certas proposições. Concordo que o texto é redundante e que o verbo em questão está fora de contexto. Mas não entendo (e gostaria de entender, para poder usá-la conscientemente) porque um verbo presente em todos os dicionários portugueses e brasileiros não seja aceitável.

C. Kupo disse...

Nisso estou consigo, caro Paulo.

Anónimo disse...

Confesso que tive de ir ao dicionário verificar que a palavra «destabilizar» existia mesmo. Mas ainda me custa a acreditar! Estava convencidíssimo que apenas existiria «desestabilizar». Não vejo qualquer problema em usar esta última. Mas a primeira... então agora basta acrescentar um «d» no início de uma palavra começada por «es» para construir um antónimo da mesma? Já estou a ver os dicionários a incluir «desperar», «despinhar» ou «destimar» daqui a algum tempo...
RS

Anónimo disse...

Caro RS, chamam-lhe dissimilação, que pode ir, como foi, até à haplologia. Aconteceu a ouros muitos, está a acontecer a mais, e há-de continuar.

Quanto ao resto, faça-lhes ver a luz, Helder, se conseguir...
- Mont.

C. Kupo disse...

Não precisa de esperar, meu caro: tenho a impressão de já ter lido "desperar" no Houaiss, mas não quero dar certeza nem fazer falso alarde. Quem o tiver à mão, por favor, verifique.

Anónimo disse...

«A outros», queria eu dizer.

Mas é como nas fitas do velho Oeste: cada vez mais «desperados»!
- Mont.

Paulo Araujo disse...

O Houaiss tem a forma 'desperança', registrada como arcaica:
"s.f. ant. m.q. desesperança ¤ etim f.snc. de desesperança; ver esper-."

Paulo Araujo disse...

No 'Vocabulário histórico-cronológico do Português Medieval', de Antônio G. Cunha:
"desperar
verbo
Atual: desesperar
séc. XV, LEAL, 26.26
Outras tres ha hi em contra: Filhando desordenada sanha ou tristeza onde nom ha cobro nem corregimento. Desperar do que pode per boo esforço e consselho aver enmenda."

C. Kupo disse...

Então era só isso mesmo: "desperança". A memória pregou-me uma peça.

Bic Laranja disse...

Eu acho estas palavras muito importunas. (Ou inoportunas?)
Cumpts.

Anónimo disse...

Pensando sobre o assunto: gostaria de saber se, nas expressões «a viagem correu mal» ou «Como é que correu o teu dia?», o uso do verbo «correr» tem, na sua origem, o do verbo «decorrer». Alguém sabe?
RS