20.2.11

«Recolha porta-a-porta»

Para tudo ficar igual

      «Retirar até 2013 todos os ecopontos, à excepção dos vidrões, da via pública. É este o objectivo da Câmara Municipal de Lisboa, que, para isso, alargará progressivamente a toda a cidade a recolha selectiva de resíduos porta a porta (embalagens e papel/cartão)» («Lisboa alarga recolha porta a porta para tirar ecopontos da rua até 2013», Inês Banha, Diário de Notícias, 20.02.2011, p. 32).
      Não é locução. A jornalista devia ter escrito «recolha porta-a-porta», como já aqui explicámos.

[Post 4468]


4 comentários:

jjleiria disse...

Mas em «recolha porta-a-porta» (sic) o «porta-a-porta» é mesmo substantivo?

Não será tanto como em «luta corpo a corpo»?

Anónimo disse...

Também «à excepção de» vem da mera colagem ao franciú, e sem necessidade nenhuma, o que é pior; porque em português não faltam boas palavras e locuções para exprimir coisa tão correntia, a saber: com excepção de, excepto, exceptuando, salvo, salvante, com ressalva de, tirante, menos.
Advirta-se enfim em que o emprego das preposições sempre foi porta secreta de insinuação fácil de barbarismos.
— Montexto

Bic Laranja disse...

Também há o novíssimo excepcionar por brilhantes vedor e ex-vedor da Fazenda.
Cumpts.

Anónimo disse...

Os do direito é que, lá na sua gíria, excepcionam, por exemplo a ilegitimidade das partes, a incompetência do tribunal, a prescrição, etc. Gente excepcional, a bem dizer.
- Mont.