17.2.11

Tradução: «tote bag»

Imagem tirada daqui

Vejamos

      Há alguma diferença, algum matiz, entre saco para as compras e saco das compras? Na definição do Lextec, saco de (ou das) compras é o «saco de plástico com duas pegas usado para transportar bens consumíveis adquiridos em estabelecimentos comerciais, tipicamente de plástico e com o logótipo do estabelecimento comercial visitado». Ando aqui às voltas com a tradução de tote bag. É um saco como o da imagem. Ora, é muitas vezes designado saco para as compras. Traduzimos apenas como «saco», sem mais? Alguém dirá que não é nariz de santo, mas a verdade é que é frustrante não encontrar uma palavra ou expressão que dê a ideia precisa do objecto. Helena, que diz?

[Post 4450]

19 comentários:

R.A. disse...

sacola?

Paulo Araujo disse...

Chamamos sacola, embora o termo seja bastante polissêmico.

Anónimo disse...

Saco das compras, por São Jerónimo. Não lhe dê mais voltas, por quem é! Que de vezes não ouvi referi-lo e nomeá-lo assim!... Não digo mais nada.
- Montexto

Bic Laranja disse...

Ainda hão-de inventar alcofas na América e nós havemos de lhe chamar como ao bulliyng.
Cumpts.

Paulo Araujo disse...

Alcofa é 'bife' árabe, quer dizer, quibe.

Helena disse...

Alguém me chama? Serei eu essa Helena? Duvido, mas como gosto de meter o bedelho, cá vai:
1. Quem deve saber o nome que hoje em dia se dá a esse saco é a Pipoca Mais Doce. O mais provável é que ela responda "totebag" ou "tote bag".
2. Quem também deve saber isso são os empregados dos supermercados - eles saberão o nome que usam para distinguir os sacos plásticos e os sacos reutilizáveis que lá se vendem (e duvido que lhes chamem tote bag).
3. Se me perguntassem, diria que saco das compras é aquele de plástico que nos dão para trazermos as compras para casa e saco para as compras é aquele que temos em casa e levamos para o supermercado.
4. Se me deixassem mandar na língua, votava em "sacola".

Helder Guégués disse...

A da escola dominical? Seja bem-vinda.

Anónimo disse...

«Eu rústico sou por meus pecados; o nome às cousas dou com claridade» (abade de Jazente).
Digamo-lo pois sem ambages: esse «distinguo», mormente o do ponto 3, não tem ponta por onde se lhe pegue.
- Montexto

Paulo Araujo disse...

"...porque das cousas nascem as palavras e não das palavras as cousas". Fernão d'Oliveira, Grammatica da lingua portuguesa, 1536.
"...; ouso certas palavras, a que nam descubro significado; nem atequi ouvi quem mas-explicase, em modo que o-intendesse-mos." Luiz Antonio Verney, Verdadeiro Metodo de Estudar, 1746.

Bic Laranja disse...

@ Paulo Araújo
Ah pois é! Tal como quê? 20-30% do vocabulário?
Salamaleque! :)

Helena disse...

Essa mesma. Obrigada.
Mas já estou de saída, que esta caixa de comentários já está cheia de simpáticos "iruditos", não faço cá falta nenhuma.

Anónimo disse...

«Eruditos», quando muito. Dobre a língua, se faz favor.
— Montexto

Rita Maria disse...

Eu sou muito pouco erudita mas tenho umas cunhas que me contam o que se passa no departamento das futilidades.

Eu escolhia saco, justamente porque polissémico: uma tote bag nao é só o saco da fotografia, uma tote bag é uma mala ou saco com aquele formato e tamanho aproximado, podendo ser tudo desde a uma carteira de senhora mais elaborada até um vulgar saco de compras.

Mas tenho de reconhecer que ao dizer saco em vez de tote bag estou a dar a quem me lê menos informaçao, a ser menos específica. Nao que seja grave claro, eu ainda tentaria sempre evitar o anglicismo.

Rita Maria disse...

Ai, sem o "a" depois de desde, claro.

Paulo Araujo disse...

"3 B zombaria explícita e veemente; escárnio 4 p.ana. B desprezo irônico"; acepções brasileiras, no Houaiss, para deboche, já definido por Moraes em 1789, mas com outros sentidos; galicismo para definir, com toque de refinamento, o tom 'chic', de um comentário anterior. Salvo erro de avaliação quanto a ‘irudito’; ou exagerada ironia da minha parte.
Como se diz aqui, pus a carapuça porque a erudição não é minha, apenas modesta cópia de quem sabe copiar, com muito respeito e admiração, Fernão d’Oliveira e Verney, estes sim, ERUDITOS em seus momentos.

Anónimo disse...

Esta Rita Maria, sim, é outra loiça! Eis uma pessoa que sabe raciocinar, - ave rara e preciosa em tempos moderníssimos...
- Montexto

Anónimo disse...

E tanto mais rara quanto mais bonita for.

Anónimo disse...

Isso agora precisávamos de ver para ajuizar fundadamente dos extremos a que chega a raridade...
- Mont.

Anónimo disse...

Acho que na verdade podemos chamar de saco ou sacola, mas o mais importante é o fato de ser "retornável".